Reserva Natural da Rocha do Navio

O Sítio da Rocha do Navio localizado no litoral Norte da ilha da Madeira, no concelho de Santana, é desde 1997 uma reserva exclusivamente marinha. Contado com uma área total de 1710 hectares, esta reserva estende-se por 6259 metros da linha de costa compreendidos entre a Ponta do Clérigo, a leste, e a ponta de São Jorge, a oeste, sendo também delimitada pela linha definida pela preia-mar máxima e a batimétrica dos 100 metros, incluindo ainda o ilhéu da Rocha das Vinhas e o ilhéu da Viúva (também conhecido como ilhéu da Rocha do Navio), bem como as respetivas áreas marítimas.

O nome Rocha do Navio deve-se ao naufrágio de uma escuna de nacionalidade holandesa que aí ocorreu no século XIX. O Ilhéu da Viúva apresenta um formato que em muito assemelha-se à frente de um navio.

Este sítio reveste-se de grande valor natural, científico e cultural destacando-se a presença de lobos-marinhos (Monachus monachu), um mamífero fortemente ameaçado de risco de extinção, o valiosíssimo património botânico que compreende várias espécies endémicas raras, como o zimbreiro (Juniperus sp.) e por último a avifauna, dado que este constitui o local de nidificação de diversas espécies de aves marinhas.

A diversidade dos recursos haliêuticos fez deste local, no passado, uma importante área de pesca tradicional, contudo, a exploração exaustiva destes recursos conduziu à sua degradação. De modo a inverter a situação a população local, dispondo do meios necessários, fez com que este local fosse protegido através da criação da Reserva Marinha.


A linha de costa da reserva caracteriza-se por uma arriba alta e rochosa com emblemáticas quedas de água, que podem ser contempladas durante a descida até à fajã, cujo acesso faz-se, quer por teleférico, quer pela antiga vereda onde estão retratados diversos dados históricos e culturais.

Vista aérea Rocha do Navio

A gestão desta reserva marinha cabe ao Parque Natural da Madeira, sendo que a gestão interna do local, está a cargo da Comissão de Gestão da Reserva da Biosfera, pois corresponde a uma das zonas núcleo desta reserva.

No Sítio da Rocha do Navio é possível compatibilizar os interesses recreativos e a conservação da natureza, através da prática de actividades que incluem pesca desportiva, mergulho amador e desportos aquáticos não motorizados. Porém, aos ilhéus da Rocha do Navio e da Rocha das Vinhas são de acesso condicionado devido ao seu elevado grau de proteção.

Pesca à linha


A elevada produtividade agrícola deste local, consequência da qualidade dos solos, fez prosperar os campos agrícolas por toda a fajã. Contudo, as comunidades locais souberam, deste sempre, conciliar a exploração deste local com a conservação dos seus valores naturais.

Fajã da Rocha do Navio

A Reserva reúne uma grande diversidade de habitats de interesse relevante, destacando-se as falésias com flora endémica das costas macaronésicas, formações baixas de euforbiácias junto das falésias e grutas marinhas submersas e semi-submersas.

Gruta marinha submersa na Rocha do Navio

Recentemente foi criada a Associação de Amigos da Rocha do Navio através de uma iniciativa privada, com o claro objetivo de ajudar a divulgar e promover este local emblemático e de forte potencial turístico.

A área marinha da Rocha do Navio corresponde à Zona Núcleo marinha da Reserva da Biosfera, Santana, Madeira, e como tal o uso do seu território encontra-se devidamente regulamentado bem como dispõe de vários estatutos de proteção.


Referência consultada

  • Secretaria Regional do Ambiente (SRA), Madeira Paraíso Natural, Funchal, 2011.
  • Decreto Legislativo Regional nº11/97/M, de 30 de junho – Reserva Natural do Sítio da Rocha do Navio